09/19/18 ~ Gospel MIX

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Brasil terá que focar em qualificação profissional para desenvolver indústria 4.0

Clique na imagem para zoom
Os desafios para desenvolver a indústria 4.0 no Brasil serão grandes, diversos, mas o maior deles será ter profissionais capacitados para atender as demandas de mercado. Com problemas muito mais enraizados, que começam na educação básica, o Brasil terá que correr atrás do prejuízo para não ficar para trás nessa revolução tecnológica. Segundo especialistas, um dos caminhos mais rápidos é a educação profissional.

Apenas 58,5% dos jovens concluem a educação básica até os 19 anos de idade; e a maioria dos que conseguem concluir, sai despreparada para o mercado de trabalho. Como consequência, o Brasil mantém um elevado número da sua população adulta que não concluiu o Ensino Médio.

E apesar de envolver desafios mais complexos, como a adaptação de layouts; a criação de novas especialidades e desenvolvimento de competências, a solução passará pela qualificação, como aponta o diretor-nacional de Operação do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), Gustavo Leal.

“O primeiro desafio é preparar o jovem para essa nova realidade. E o segundo desafio, que talvez seja maior do que o primeiro, nós temos um volume muito grande de pessoas adultas, trabalhadoras, que também vão precisar se requalificar para continuar incluído nessa nova onda produtiva.”
A aposta do setor produtivo é fomentar o debate entre os presidenciáveis em cima da educação voltada para o ensino técnico, como forma de alavancar a educação e aumentar a competitividade das empresas no país.
A Confederação Nacional da Indústria (CNI) entregou aos candidatos um documento que apresenta as principais recomendações para melhorar a educação nos próximos quatro anos.
O estudo, Propostas da Indústria para as eleições 2018 - Indústria 4.0 e Digitalização da Economia, apresenta 43 cadernos temáticos com medidas objetivas para melhorar as condições produtivas no Brasil e estimular o crescimento sustentado da economia.

O professor da Universidade de Brasília (UnB) Antônio Isidro da Silva Filho, especialista em inovação, tecnologia e recursos, chama atenção para a necessidade de haver políticas públicas efetivas para o desenvolvimento de uma nova matriz educacional.

“Então, hoje nós temos oportunidades profissionais para cargos e funções que se utiliza tecnologia digitais, mas temos escassez de mão de obra qualificada para essas funções. Isso sinaliza que se tivermos política pública de educação profissional, educação tecnológica, para que isso gere oferta de mais mão de obra, a tendência é que possa aumentar a produtividade do país.”
Cursos técnicos no âmbito do SENAI pretendem preparar tanto as empresas como os profissionais para essa revolução. São cursos dentro da teoria de Big Data, Internet das Coisas e outros que envolvem tecnologia da informação.


Reportagem, Camila Costa




Mais informações »

Restauração do Museu Nacional deve durar 10 anos, estima Unesco

Clique na imagem para zoom


Uma das possibilidades é empregar tecnologias avançadas, como a 3D, para a recuperação do acervo

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, a Unesco no Brasil, a restauração do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, deverá durar cerca de 10 anos.
A Unesco está trabalhando em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro, o Instituto Brasileiro de Museus e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.
De acordo com especialistas que fazem parte da Missão de Emergência da Unesco para o Museu Nacional, uma das possibilidades é empregar tecnologias avançadas, como a 3D, para a recuperação do acervo.
A Unesco no Brasil informou que o trabalho de recuperação está contando com o apoio com três fontes de recursos: o Fundo de Emergência da Unesco, o aporte do Ministério da Educação de R$ 10 milhões para os esforços iniciais de sustentação do prédio do museu e doações de outros países. Somente a Alemanha irá disponibilizar Є10 milhões.


Reportagem, Cintia Moreira







Mais informações »

Ministério Público Eleitoral barra 749 candidaturas com base na Ficha Limpa

Clique na imagem oara zoom
Entre os motivos para contestação, está o descumprimento da cota de gênero definido pela legislação eleitoral


Nesta terça-feira (18), o Ministério Público Eleitoral (MPE) acionou a Justiça para barrar mais de 2.600 registros de candidatura nas Eleições de 2018, em todo país. Quase um terço dessas contestações, ou seja, 749, são com base na Lei da Ficha Limpa (LC 135/10).
Entre os motivos para contestação, está o descumprimento da cota de gênero definido pela legislação eleitoral. A norma determina que cada partido ou coligação deverá reservar o mínimo de 30% e o máximo de 70% para candidaturas de cada sexo.
As demais contestações são decorrentes do desrespeito a outros critérios previstos em lei que podem levar ao indeferimento do registro de candidatura, como por exemplo, ausência de prova da escolaridade, de filiação partidária válida, de prova de quitação eleitoral ou insuficiência de documentação.
Além das impugnações de registro de candidatura, foram contestados 105 Demonstrativos de Regularidade de Atos Partidários. Este é um documento que é entregue pelo partido político no ato do registro, e contém o nome dos candidatos que foram aprovados em convenção. Caso tenha algum tipo de irregularidade neste demonstrativo, a candidatura terá o pedido de impugnação aceito pela Justiça Eleitoral.


Reportagem, Cintia Moreira






Mais informações »